Notícias

A descolonização nos manuais de história continua por concretizar

A necessidade de realizar alterações ao sistema curricular prende-se com o que Miguel Monteiro de Barros chama de «manualização do ensino», ou seja, o facto de «as escolas começarem a considerar,não os programas como documento regulador das aprendizagens, mas os manuais». «Os manuais tornam-se programa», explicita. Esta prática está, segundo o responsável, na origem do curriculum overload [sobrecarga dos currículos], já que é resultado de um constante enriquecimento dos manuais escolares com recursos e conteúdos, feito pelas editoras para ganhar vantagens competitivas. «Como o mercado é livre em Portugal e há competição, eles vão introduzindo mais coisas, mais conteúdos, mais uma coisa aqui, outra ali para serem mais atrativos», explica o responsável que também é autor de manuais escolares. «Às tantas temos situações em que, dez anos depois, os professores nem sequer se lembram do que é realmente o programa.» Mas, se assim é, não deviam as AE ser mais específicas e restritivas, para limitar esse problema? «Considerou-se que tinham de ser um pouco abrangentes para poder caber um todo. Depois percebemos que quando as pessoas vão elaborar os manuais… se calhar isso tinha de ser muito mais clarificado. Mas muitos outros temas têm de ser muito mais clarificados», assume Marta Torres, docente de História, autora de manuais e membro do grupo de trabalho que elaborou as AE. É que a interpretação da matéria está sempre dependente dos autores dos manuais que têm «autonomia sobre a forma como as temáticas são abordadas», sendo os manuais posteriormente «certificados e avaliados por entidades independentes», conforme referido por Hélder Pais, da DGE. Seja como for, as mudanças que foram feitas são um fraco remédio para um problema que Miguel Monteiro de Barros e Marta Torres consideram ser mais complexo. «Para isso mudar radicalmente, tem de ser algo estrutural e nem sempre é em dois, três ou quatro anos. Aliás, as AE são de 2018. Houve uma resistência imensa e às vezes ainda há pessoas que ainda lecionam com [as antigas] MC», diz a docente. Além disso, o que é ensinado em sala de aula depende, em última instância do(a) professor(a), dos seus métodos de ensino, e da sua interpretação das AE. Este é um aspeto muito sublinhado pelos responsáveis que referem,assim, que cada docente pode sempre mencionar e aprofundar outros aspetos que considere relevantes.

Mais informações
Eleições APH

Eleições APH

Nos termos dos Art.ºs 26º e 35º dos Estatutos da APH, a Direção convoca a Assembleia Geral Eleitoral para o dia 5 de janeiro de 2024, das 11.00 às 16.00 horas, na sede da APH, para a eleição dos seguintes corpos sociais: Direção; Mesa da Assembleia Geral e Conselho Fiscal.

Mais informações

Relatório Geral do OHTE sobre o Ensino da História na Europa

Nos dias 30 de novembro e 1 de dezembro, realizou-se a 3ª Conferência Anual do OHTE*, “Ensinar História: Ensinar a Paz?”. Nesta Conferência foi apresentado o primeiro Relatório Geral do OHTE sobre o Ensino da História na Europa.
Os resultados obtidos nos dezasseis países membros do OHTE, espelham a forma como a história é ensinada nos mesmos.

A APH agradece a todos os associados que participaram na construção do Relatório, ao colaborarem no preenchimento do mesmo, aquando da sua divulgação na nossa página.
*Observatório do Ensino de História do Conselho da Europa

Mais informações
Prémios do Concurso História Militar e Juventude: O 25 de Abril na minha terra, 4ª ed.

Prémios do Concurso História Militar e Juventude: O 25 de Abril na minha terra, 4ª ed.

No dia 12 de junho, pelas 15 horas, realizar-se-á, online, a sessão de entrega dos prémios. Este concurso é realizado pela Associação de Professores de História (APH) e pela Comissão Portuguesa de História Militar (CPHM), em cooperação com a Comissão Coordenadora dos 50 Anos do 25 de Abril e com o apoio do Plano Nacional de Leitura 2027, da Associação Nacional de Municípios Portugueses, da Associação 25 de Abril e da Liga dos Combatentes,

Mais informações
Artigo de Ricardo Pinto e Chaves

Artigo de Ricardo Pinto e Chaves

Partilhamos aqui o link de uma reflexão produzida pelo nosso associado, Ricardo Pinto e Chaves, resultante da sua participação na workshop «Writing History», que se realizou na House of European History, nos dias 13 e 14 de maio de 2023, como representante da APH, no contexto de uma parceria estabelecida entre a EUROCLIO e a House of European History.

Mais informações
Concurso História Militar e Juventude – Participaram mais de 450 alunos. Vencedores já foram escolhidos.

Concurso História Militar e Juventude – Participaram mais de 450 alunos. Vencedores já foram escolhidos.

“História Militar e Juventude” é um concurso promovido pela Associação de Professores de História (APH) e pela Comissão Portuguesa de História Militar (CPHM). É dirigido às crianças e jovens entre os 10 e 19 anos que frequentem o 2º ciclo, 3º ciclo e secundário (regular e profissional) das escolas em Portugal e das escolas portuguesas no estrangeiro e tem por objetivo fomentar o gosto pela História Militar de Portugal. Esta edição teve como parceira a Comissão Comemorativa dos 50 anos do 25 de Abril e o apoio do Plano Nacional de Leitura 2027, da Associação Nacional de Municípios Portugueses, da Associação 25 de Abril e da Liga dos Combatentes. Participaram estudantes residentes em Portugal, Angola e Moçambique, individualmente, em par ou em turma.

Mais informações
Assembleia Geral

Assembleia Geral

Nos termos dos Art.ºs 12º, 13º, 14º e 15º dos Estatutos da APH, convoco a Assembleia Geral da Associação de Professores de História para uma reunião ordinária a realizar na modalidade de videoconferência, no dia 24 de março de 2023, pelas 17.30 horas, com a seguinte Ordem de Trabalhos:
1. Aprovação do Relatório de Atividades de 2022
2. Aprovação do Relatório de Contas de 2022
3. Aprovação do Orçamento para 2023

Mais informações
Projeto TIES

Projeto TIES

Apesar de os materiais disponibilizados estarem em Inglês – existindo a opção de cinco outras línguas, nenhuma delas o Português -, consideramos que os módulos propostos possuem qualidade e relevância para serem partilhados com os nossos associados.

The Teaching Immigration in European Schools (TIES) project develops innovative teaching modules to bring academic knowledge on migration into European classrooms. In close dialogue with teachers, students, and migrants, we develop best practice guidelines and nine teaching modules covering different aspects of migration to be taught in classrooms across Europe. The modules are 45-minutes long and use interactive teaching methods such as storytelling and audio-visual methods. These modules will be freely available on the website in six languages and can be taught in different subjects and school types.

Mais informações
UZBEQUISTÃO – Na Rota da Seda

UZBEQUISTÃO – Na Rota da Seda

5 a 15 de Abril de 2023
Durante muito tempo esquecido dos mais concorridos roteiros turísticos, o Uzbequistão manteve-se ao longo dos tempos fiel às suas raízes históricas e culturais, mantendo todo o encanto e autenticidade para quem o visita.
A sua arquitetura de inspiração muçulmana reflete a riqueza que teve na Idade Média, quando o país era o centro da longa Rota da Seda, sabendo renovar-se e modernizar-se ao longo dos tempos. De Tashkent a Samarkanda, de Bukhara a Khiva, encontramos palácios, mesquitas, mausoléus e outros monumentos que nos remetem para os sonhos das mil e uma noites, sendo sem dúvida Samarkanda a cidade que mais se destaca como cidade-museu, ainda com algumas reminiscências dos tempos em que foi uma das grandes cidades da Rota da Seda.

Mais informações

A APH - Associação de Professores de História é uma associação científico‑pedagógica de professores de História de todos os ciclos e graus de ensino.

Contactos Gerais

Telefone

(+351) 217 647 201
(chamada para rede fixa nacional)

Telemóvel

(+351) 964 952 357
(chamada para rede móvel nacional)

Email

secretariado@aph.pt