Com este tema pretende-se:
Reconhecer que a função social da História passa pela perceção e compreensão informada e crítica dos fenómenos que marcam o tempo presente.
Explicar os fenómenos do tempo presente através do estudo do passado, com rigor metodológico e de forma contraintuitiva, combatendo o senso-comum.
Reconhecer que a construção de um pensamento crítico sustentado é fundamental para a consolidação de uma cultura verdadeiramente democrática.

CONCEITOS E PRÁTICAS DE CIDADANIA NA LONGA DURAÇÃO – PERMANÊNCIAS E MUDANÇAS

Pesquisar e recolher informação em fontes escritas e iconográficas sobre conceitos e práticas de cidadania em
determinados momentos históricos – Grécia Clássica, Roma Antiga, Século XVIII, Liberalismo, Ditaduras/Regimes
democráticos séculos XX/XXI.

Comparar os conceitos de cidadania e a sua prática em momentos chave da História do Ocidente, de forma a entender que a análise e comparação de realidades espaço temporais distintas pode e deve ser feita, mas sempre tendo em consideração os contextos específicos em que essas realidades surgiram e se desenvolveram.

LINKS

Atenas na Antiguidade: http://www.ancientgreece.co.uk/athens/home_set.html

«Civitas, Ancient Rome». Encyclopaedia Britannica: https://www.britannica.com/topic/civitas

Carta Constitucional Portuguesa de 1826 (TÍTULO I – artigo 1, TÍTULO II – artigos 7 a 9): https://www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/1533.pdf

Constituição norte americana de 1787 (Constitution of 1787): https://constitutionus.com

Constituição Portuguesa de 1822 (TÍTULO I – artigos 1 a 19, TÍTULO II – artigos 20 a 24): https://www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/7511.pdf

Constituição Portuguesa de 1933 (TÍTULO II – artigos 7 e 8): https://www.parlamento.pt/Parlamento/Documents/CRP-1933.pdf

Constituição Portuguesa de 1976, versão de 2005 (Princípios Fundamentais – artigo 4º; PARTE 1 direitos e deveres fundamentais
TÍTULO I Princípios gerais – artigos 12 a 15): https://dre.pt/application/conteudo/243729

Déclaration des Droits de l’Homme et du Citoyen de 1789: https://www.conseil-constitutionnel.fr/le-bloc-de-constitutionnalite/declaration-des-droits-de-l-homme-et-du-citoyen-de-1789

Magna Carta: https://www.archives.gov/files/press/press-kits/magna-carta/magna-carta-translation.pdf

https://observador.pt/opiniao/a-magna-carta-em-portugal/

Naturalization Act of 1790: http://www.indiana.edu/~kdhist/H105-documents-web/week08/naturalization1790.html

«Nascimento da democracia na Grécia Antiga»: https://www.infopedia.pt/$nascimento-da-democracia-na-grecia-antiga

Primary sources. Ancient History Encyclopedia: https://www.ancient.eu/category/100/1/

«Roman Citizenship»: https://www.ancient.eu/article/859/roman-citizenship/

 

DIREITOS HUMANOS. O TRÁFICO DE SERES HUMANOS: PASSADO E PRESENTE

Pesquisar e recolher informação em fontes escritas e iconográficas sobre o tráfico de escravos e a escravatura, com foco
nas práticas portuguesas entre os séculos XV e XIX.

Compreender que a escravidão não foi uma realidade exclusivamente africana e negra, existindo escravos de diversas
proveniências e origens étnicas.

Reconhecer que também os europeus, nomeadamente os portugueses, podiam ser reduzidos à escravatura.

Demonstrar que nem todos os negros eram escravos (ver referência abaixo, a propósito da Pintura “Chafariz d’El Rei”).

Analisar formas de resistência contra a escravidão por parte dos escravizados.

Comparar a prática da escravatura em diversos momentos da nossa História coletiva, incluindo as formas que a escravatura e/ou o trabalho forçado assumem na atualidade.

Ter presente que a análise e comparação de realidades espácio-temporais distintas deve ser feita considerando os
contextos específicos em que essas realidades surgem e se desenvolvem.

 

LINKS

Alvará de 1761, proibindo a importação de escravos para o território metropolitano: Abolição do tráfico de escravos: http://antt.dglab.gov.pt/exposicoes-virtuais-2/abolicao-do-trafico-de-escravos/

As calhandreiras: https://osaldahistoria.blogs.sapo.pt/instantaneos-calhandras-e-calhandreiras-5203

A última escrava portuguesa morreu nos anos 1930: https://rr.sapo.pt/2017/03/25/pais/a-ultima-escrava-portuguesa-morreu-emlisboa-nos-anos-1930/noticia/79112/

Crónica dos Feitos da Guiné (Capítulo XXV). Relato de Gomes Eanes de Zurara, descrevendo a venda, em 1444, em Lagos, dos primeiros escravos trazidos de África pelos portugueses: http://purl.pt/216

Decreto de 25 de fevereiro de 1869: Abolição da escravatura em todos os territórios sob domínio português: https://www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/1424.pdf

Escravos e escravatura em Portugal: http://ensina.rtp.pt/artigo/escravos-escravatura-portugal/

«“Esperança de liberdade”. Interpretações populares da abolição ilustrada (1773-1774)»: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/18912/20975

Existem 26 mil “escravos modernos” em Portugal: https://observador.pt/2018/07/19/existem-26-mil-escravos-modernos-em-portugal/

Les Mortels sont égaux, ce n’est pas la naissance c’est la seule vertu qui fait la différence… (Imagem representando a igualdade entre todos os homens): http://rfnumbibliotheque.org/ark:/12148/btv1b69502888.r=les%20mortels%20sont%20égaux?rk=21459;2

O Atlântico dos Outros. Conjunto de cinco pequenos vídeos sobre o tráfico de escravos e a escravatura: filme 1: Um continente muitas Áfricas; filme 2: O tráfico dos escravos; filme 3: ser escravo no Brasil; filme 4: Portugal, um reino com escravos; Filme 5: O fim da escravatura: https://aph.pt/recursos/ensino-da-historia/a-escravatura-negra-no-imperio-portugues/

Pintura “Chafariz d’El Rei”. Representação das gentes de Lisboa ao tempo da expansão, com representações de negros (escravos a
exercerem diversas atividades e, em primeiro plano um negro, cavaleiro da Ordem de Cristo: https://www.dn.pt/artes/interior/analises-ao-quadro-chafariz-del-rei-confirmam-que-e-do-seculo-xvi-5778815.html

O cemitério de escravos em Lagos: https://globalherit.hypotheses.org/1580

O segredo dos escravos reprodutores: https://expresso.pt/sociedade/2015-12-08-O-segredo-dos-escravos-reprodutores

Portugal, século XXI: há escravos levados das Beiras para Espanha: https://www.publico.pt/2011/06/11/sociedade/noticia/portugal-seculo-xxi-ha-escravos-levados-das-beiras-para-espanha-1498400

São Tomé e Príncipe: A escravatura durou até à independência: https://acervo.publico.pt/mundo/noticia/em-sao-tome-e-principe-a-escravatura-durou-ate-a-independencia-1729886

Ser escravo. Quadros de um quotidiano: dos trabalhos e dos dias: https://www.buala.org/pt/a-ler/ser-escravo-quadros-de-um-quotidiano-dos-trabalhos-e-dos-dias

What is modern slavery?: https://www.antislavery.org/slavery-today/modern-slavery/

 

SUGESTÃO DE OUTROS TEMAS

Nacionalismos | Populismos | Fundamentalismos | Migrações | Alterações climáticas.

A APH - Associação de Professores de História é uma associação científico‑pedagógica de professores de História de todos os ciclos e graus de ensino.

Contactos Gerais

Telefone

(+351) 217 647 201

Telemóvel

(+351) 964 952 357

Email

secretariado@aph.pt